Conheça os Fitoterápicos

January 26, 2018

 

Os medicamentos fitoterápicos apresentam sua garantia de qualidade e eficácia, assim como um medicamento alopático, pois apresentam registro no órgão competente do país, a ANVISA, e para tanto disponibilizam estudos clínicos de fase III, que devem ser publicados em revistas científicas indexadas ou em sites acadêmicos de busca, como Medline, Chemical Abstracts ou Biosis, sempre na forma de aditamento ou processo de patente (ANVISA, 2010).

Das bases da farmacologia dependem o sucesso terapêutico de qualquer prescrição. Não consiste somente em escolher o fármaco mais adequado com a intenção de reverter, atenuar ou prevenir um processo patológico específico; o clínico, seja ele médico, nutricionista ou outros prescritos, ao prescrever, deve buscar o mais adequado que atenda as características fisiopatológicas, do paciente, como: idade, sexo, peso corporal, raça e muitas vezes até religião.

A capacidade de induzir um efeito seja ele tóxico ou terapêutico, depende da concentração que o fármaco atinge próximo ao seu local de ação ou no caso o receptor, é preciso que o medicamento apresente concentrações necessárias junto ao órgão ou sistema suscetível ao seu efeito para apresentar significância clínica.

Nesse contexto a dose e a manutenção das concentrações terapêuticas junto aos sítios moleculares de reconhecimento no organismo devem ser calculadas e estudadas. Quando quantidades insuficientes estão presentes no sítio receptor, o medicamento pode parecer ineficaz, no entanto, pode tão somente fazer efeitos desnecessários, como o caso da resistência a antimicrobianos; em uma situação como esta, o fármaco pode ser considerado ineficaz, sendo que o sucesso terapêutico poderia ser alcançado se a dose e/ou o intervalo de administração (posologia) corretos fossem adequados.

Os medicamentos podem ser administrados em dose única, doses múltiplas, por tempo pré-determinado ou de forma continuada, por via oral ou por infusão, entre outras possibilidades. A escolha da via de administração e da forma farmacêutica está associada às propriedades físico-químicas e farmacológicas dos fármacos, bem como da abordagem medicamentosa desejada. Medicamentos por via oral atingem o pico de concentração plasmática mais demoradamente e raramente são totalmente absorvidos, enquanto a via sublingual ou parenteral produz ação mais rápida. Nestas últimas opções se atinge níveis séricos maiores e mais rapidamente, mas por outro lado, o risco de efeito indesejado é potencialmente maior pelas mesmas razões (ZANINI et al., 2009).

Algumas condutas minoram os riscos relacionados à posologia nos idosos: (i) iniciar com doses menores que o padrão para adultos; (ii) aumento gradual das doses; (iii) usar preferencialmente medicamentos que permitam administração única diária. O objetivo geral é fazer o possível para usar menos medicamentos e de maneira mais facilmente administrável, certificando também a real necessidade do medicamento e evitando sobreposição de ações semelhantes (GORZONI, 2009).

A suplementação de fitoterápicos deve ser realizada, contemplando todas as informações pertinentes à manipulação, como mostra o modelo abaixo.
Deve conter os seguintes itens: A) Nome do fitoterápico (nomenclatura botânica, sendo opcional o nome popular); B) A forma farmacêutica e modo de preparo; C) A posologia e o tempo estimado para consumo; D) Horários e modo de uso; E) Nome, identificação do profissional e número de registro no CRN.

Please reload

Posts Em Destaque

Atenção Nutricional em Vegetarianos

June 1, 2018

1/8
Please reload

Posts Recentes

August 16, 2019

January 18, 2019

April 15, 2018

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags